Compartilhe:
Gestão e Finanças Inovação

Economia Colaborativa

Conheça o novo modelo de negócio usado por empresas para se destacar no mercado


A Economia Colaborativa entrou no mercado como um grande diferencial e vem se destacando cada vez mais. Consequentemente, isso gerou a necessidade de grandes corporações fazerem parte para não serem totalmente esquecidas. Mas, afinal, você sabe o que é esse conceito?

O conceito e as grandes corporações

A definição de Economia Compartilhada é bem simples: pessoas passam a trocar bens e serviços. Carros, alimentos, motos, moradia, informação, tecnologia, entre outros bens, podem ser compartilhados. O movimento ganhou força graças à evolução da tecnologia, que permite nos conectarmos de forma cada vez mais rápida.

Nesse cenário, as características da Economia Colaborativa mostram como empresas podem repensar seus modelos de negócios tornando-se “Prestadoras de Serviços”, “Fomentadoras de Mercado” ou “Provedoras de Plataformas”. Enquanto empresas com visão de futuro empregam um modelo, as empresas mais inovadoras usam os três, com a corporação no centro, abandonando assim a famosa fórmula de preço, praça, produto e promoção.

Muitas empresas e projetos que praticam a economia colaborativa nasceram a partir do compartilhamento de pessoa-para-pessoa (peer-to-peer), o chamado consumo colaborativo. Esse conceito tem se mostrado abrangente, revolucionário e duradouro. Por isso, grandes empresas já passaram a adotar estratégias baseadas no compartilhamento em seus principais negócios, como a Toyota, ao alugar carros de concessionárias selecionadas e o Citibank, ao patrocinar um programa de compartilhamento de bicicletas na cidade de Nova York, como já ocorre no Brasil.

Os pilares do sucesso

A Economia Colaborativa é a junção de três pontos que fazem com que o conceito se destaque e se torne cada vez mais atrativo:

Social – com aumento da densidade populacional, maior avanço à favor da sustentabilidade, desejo de comunidade e abordagem mais altruísta;

Econômico – focado em monetização do estoque em excesso ou ocioso, aumento da flexibilidade financeira, preferência por acesso ao invés de aquisição, e abundância de capital de risco;

Tecnológico – beneficiado pelas redes sociais, dispositivos e plataformas móveis, além de sistemas de pagamento.

Para se destacar no mercado, as empresas devem inovar e repensar seus modelos de negócio. Grandes passos como esse aproximam a empresa do cliente e melhoram seu relacionamento.

Fonte: Sebrae

Seja o primeiro a comentar
Compartilhe:
Deixe um comentário

Assine nossa Newsletter

Receba por e-mail nossas novidades e publicações.